segunda-feira, 28 de maio de 2018

Desempate no Douro Vinhateiro

"Eu vou devagarinho, vou só para curtir a vista e ficar a conhecer o percurso. Vamos todos juntos e fazemos 1:40." - foi este o mote dado pelo nosso amigo e colega de treinos que é uma flecha. 

"Isso são mais de 15 minutos abaixo do meu record pessoal (1:57:08 - Coimbra 2017), nem penses nisso." E nem a mudança de planos para 1:50 me convenceu, se bem que ele tinha razão quando dizia que às vezes é preciso um empurrão extra para sair da nossa zona de conforto. "Eu quero ir a 5:30m/km, tudo o que for abaixo disso é lucro." - rematei minutos antes da partida.

Meus caros, eu estava empatado com esta prova e hoje era o dia D, de desempate. E não ter treinado nas duas semanas anteriores não era grande augúrio, pois não? Pois. Andar com desarranjo intestinal desde a madrugada de 4a para 5a também não foi fixe. Em cima da barragem do Bagaúste sentia o Flipbelt a pressionar-me essa zona... e ter que me colocar de cócoras para voltar a apertar os atacadores dos ténis também não ajudou. Felizmente esqueci-me disso assim que tudo começou.

O pré-prova foi muito porreiro, sempre em excelente companhia e só por causa disso já estava a prova ganha. Obrigado pela companhia, do fundo do coração! Uma viagem longa mas que vale sempre a pena fazer quando vamos bem acompanhados.

Já na 6a tentei combater a coisa é acabei por ter uma pasta party caseira. A oficial foi no sábado à noite e foi muito melhor que a do ano passado. Na Régua, inspirados pelo tal colega que só ia passear, a coisa teve Favaios em dose dupla, já depois de ter tido paragem obrigatória pelo Bar 21 com um copo de branco. Isto explica a razão pela qual eu ainda sinto a boca seca. 
 

 
 
Voltando atrás, é por causa destes momentos que vale a pena fazer estas aventuras.
Por falar nisso, assim que entramos no secretariado para levantar os dorsais, quem é que eu encontro? O André, cuja página e desafios tenho andado a seguir desde o seu início. Reconhecemo-nos quase imediatamente e percebemos que ambos íamos à pasta party, portanto havíamos de voltar a falar.

Pasta Party caseira com massa integral na 6a

Pasta Party oficial no sábado

Dorsais levantados, "login" feito no hotel e regresso ao Museu do Douro para o jantar. Ao entrar descobrimos que ainda estava menos gente que no ano passado, mas que o espaço estava mais requintado. E a refeição não desiludiu. Estar pouca gente até foi melhor, foi tudo tão tranquilo que era o que estávamos todos a precisar depois da longa viagem. E já estava o André a a Sofia, com quem estive à conversa. Foi um prazer conhecê-los e ter a oportunidade de transportar para a "vida real" esta malta com quem comunicamos apenas atrás de um teclado vale muito, porque são estas as medalhas e os recordes que ficam. E percebemos que no dia seguinte tínhamos autocarro marcado para a mesma hora. E, sem combinar, lá nos encontrámos à hora prevista.  

Houve Favaios, disse eu. A meio da tarde com cerveja depois de levantar os dorsais e depois de jantar como digestivo com o café. A malta abusou? Diz que sim, um bocadinho, mas a ideia era fazer da prova uma festa e estávamos rodeados de muitos amigos.

 
Este ano mudámos de Hotel - a primeira opção era o Columbano, mas o meu colega que tratou disto já tinha estado no Império Hotel. A escolha foi óptima, sobretudo pela proximidade da estação da Régua, local da partida dos comboios e autocarros. A noite passou depressa e nem sequer senti que tivesse dormido tão bem quando gostaria, mas acordei tranquilo, com aquela calma de "Este gajo sempre que diz que vem sem pensar em tempos faz sempre grandes resultados!" e foi assim que cheguei ao pequeno-almoço, não sem antes decidir à última da hora que não ia levar música. Dali até à Barragem do Bagaúste foi um tirinho, já com a equipa toda reunida. Felizmente optámos por partir mais tarde que em 2017 e assim o tempo de espera antes da partida foi menor. Após a típica separação da Mini e da Meia, estávamos todos nos locais certos para partir para as nossas provas. E nós estávamos bem mais à frente do que o habitual, o que vinha dar alguma razão à nossa ideia que estaria, possivelmente, muito menos gente este ano. É que na noite anterior o ambiente na cidade era quase inexistente, pelo menos na zona onde andámos. A chuva que começou a cair de forma acentuada e a final da Champions League explicavam tudo?

E se chovia na noite de sábado, a manhã de hoje acordou encoberta mas durante pouco tempo. O calor já se fazia sentir e eu estava todo contente, apenas pelo facto de poder justificar a minha nova aquisição e que ia estrear na prova: um boné de corrida! Eu sei experimentar coisas novas em dia de prova é um erro, mas como nesta semana não treinei (novamente) não tive oportunidade de o testar. Passou no teste com distinção, já agora.

Então e vamos correr? Vamos a isso. Sempre a 5:30m/km ou um pouco menos, se possível.
A prova para mim tem três partes: da Barragem até ao retorno, do retorno até à Barragem, da Barragem até à Meta.
 
O começo é sempre um momento onde tentamos ganhar a melhor posição no pelotão. Rapidamente perdi de vista os restantes elementos da equipa. Vi a flecha ir lá para a frente, pelo menos um colega ir com ele e os restantes teriam ficado para trás. Sem música, sem companhia conhecida, mas no meio de muitos atletas fui tranquilo, ao ritmo que a tabela mostra. Fui fixando outros companheiros de pelotão que também iam por ali ao mesmo ritmo e ia apreciando a paisagem. Tranquilidade era mesmo a palavra de ordem e os quilómetros iam passando com o relógio a dar-me boas notícias. A prioridade era mesmo refrescar-me e apanhar água em todos os abastecimentos porque o calor apertava a sério. Deixei-me ir quase sempre com as mesmas caras e camisolas por perto até começarem a passar os primeiros atletas vindos do retorno: primeiro os da prova de 21km em cadeira de rodas e depois os nossos onde eu procurava encontrar as caras conhecidas da equipa e não só. Não vi todos, nem todos me viram, mas é sempre dos momentos que me permitem esquecer algum eventual cansaço que, na altura, não sentia.

Logo após o retorno passei um dos meus colegas que me pareceu ter quebrado muito cedo - e comprovei isso pelo tempo final. Dei-lhe umas palavras de força e continuei. Chego ao décimo quilómetro exactamente com 55:00 marcados no relógio. Ritmo perfeito para o que queria, mas agora era preciso manter na segunda-metade-mais-o-km-final. Tomei o gel conforme planeado e o André passou por mim. Estes quilómetros do 11 ao 15/16 até regressar à Barragem são sempre os mais difíceis para mim psicologicamente e eu já estava a sentir que estava a ficar desgastado, mas seguir a poucos metros dele e ir mantendo o ritmo e a distância estavam a ajudar-me. O Strava explicou-me entretanto a razão pela qual achei que estava a custar-me mais fazer esta parte. Vejam lá bem. Confesso que no fim não sei se lhe agradeci ter sido a minha lebre sem saber, mas se não o fiz hei-de fazê-lo. Nem quis olhar muito para o relógio nesta fase porque tive receio de ver a média a piorar e isso ia deixar-me desanimado. Afinal...
E chegou o quilómetro 16 onde a coisa piorou... Perante a promessa de água fresquinha - o resto daquela que levava comigo estava quente - fiquei atento ao momento do abastecimento, mas a loucura para as garrafas era imensa. Acabei por ter que optar pelo Red Bull e no meio de tantos copos agarrei... numa lata! Que estava quase cheia. E super fresca! Tentei beber em andamento, tal como já tinha conseguido fazer com o copo de Isostar uns quilómetros antes sem ter que abrandar muito, mas engasguei-me ao primeiro gole, ao ponto de outro atleta se ter assustado e me ter logo perguntado como estava e recomendado cuidado. Parei uns 20 segundos, bebi e segui. Gostava de ter levado água para o resto da prova, mas paciência.

Era a entrada na última etapa. Nesta paragem perdi de vista o André, mas estava novamente com outro grupo que já me tinha acompanhado durante largos metros antes. Não fiquei ali muito tempo e zarpei para tentar recuperar os segundos perdidos. Acelerei tanto que quando dei por mim ia abaixo de 5:00m/km. Aguenta os cavalos, rapaz, que não consegues fazer isso até à meta. Estabilizei aos 18km, na tentativa de perceber se aquela paragem seguida de um esticão tinha feito estragos. Achei que tinha, ao ponto de me ter baralhado a matemática. E na viagem de regresso a minha malta mais próxima ainda gozou comigo porque eu sou certinho nestas coisas e, por alguma razão, naquele quilómetro achei que a continuar a um ritmo de 5:30 ia acabar com 1:58, algo longe do objectivo que tinha. Não sei que contas fiz, não faço ideia. Fiquei com isso na cabeça e pensei que fazer menos de duas horas é sempre um resultado simpático e ficava satisfeito na mesma. Entretanto vejo ao longe a Lúcia, de quem já aqui vos falei e que encontro sempre nas provas da Running Wonders. Decidi que a ia tentar apanhar e eventualmente fazer aqueles últimos quilómetros com ela. Trocámos umas rápidas palavras, percebi que eu ia com melhor ritmo e segui com a promessa de falarmos melhor no final. Estava finalmente na ponte pedonal que nos leva a entrar na Régua e perante o maior número de espectadores comecei a puxar por eles e a dar cinco a quem esticava a mão. A Lúcia passou-me mais ou menos nessa altura. Teria ido buscar forças para o quilómetro final, talvez. Disse-lhe para dar tudo até à meta que tínhamos tempo para descansar depois. Já só a vi logo a seguir à meta. Chegada ao quilómetro 20. E o relógio marcava 1:48 e qualquer coisa e... espera lá! Se é assim afinal estou melhor do que tinha pensado! Pernas para que te quero. Agora as contas eram fáceis, tinha que fazer o último quilómetro-mais-quase-cem-metros em seis minutos. Entrei em modo "faca nos dentes e coração na boca" mas aquela recta até à meta parecia interminável, mesmo comigo a tentar abstrair-me de tudo e a continuar a pedir apoio ao - cada vez mais - público. Foi brutalmente importante ver a nossa dupla da Mini ali no passeio próximas dos metros finais para dar aquele boost final e com tudo o que tinha e não tinha acabei e parei o relógio com 1:55:03! Gritei de alegria ao mesmo tempo que pensei "Estúpido, menos quatro segundos parado e era épico!"

Medalha na mão, ergui-a ao alto e fotografei na minha memória aquele momento só para mim. A não ser que alguém o tenha capturado em imagem, mas penso não haver fotógrafos naquela zona híbrida depois da meta e antes dos stands. Foi com muita alegria também que comecei a ver colegas e amigos - Sofia e André novamente incluídos neste lote - e que a malta da equipa estava prontinha a pedir cervejas. Não vos digo quantas bebi antes de irmos embora de regresso ao hotel.

Prova concluída e sim, record pessoal batido no Douro Vinhateiro pelo segundo ano consecutivo. Estou a ganhar 2-1. De volta ao hotel era hora de aproveitar o late check-out para tomar banho antes de se pensar num sítio para almoçar. O anho estava muito bom e foi regado com vinho tinto, que até é coisa que eu não costumo beber. À mesa conversava-se sobre a prova e dava uma preguiça aliada a uma vontade imensa de ficar mais uma noite. Repete-se a promessa de voltar noutra altura fora da prova para apreciar ainda mais e melhor aquela zona lindíssima do nosso país. E a promessa de regressar em 2019, naquela que é uma das duas provas - a outra é o Fim da Europa - onde eu disse que só ia uma vez para ficar a conhecer e onde já marquei presença pelo terceiro ano consecutivo. Curiosamente no restaurante estava alguém com uma camisola do Fim da Europa misturada com várias outras do Douro Vinhateiro. Agora comparem os slogans e vejam lá se não faz sentido.

Corrida Fim da Europa - "Dificilmente haverá corrida mais bonita"
Meia Maratona do Douro Vinhateiro - "A mais bela corrida do mundo"

Deixo-vos só com mais umas fotos, antes de perceberem a razão pela qual dei um salto de alegria ainda maior do que na meta quando já estava em casa, de pijama vestido, e abri o site das classificações.









Prova nº 87 - Meia Maratona Douro Vinhateiro 2018 - 21km - 01:54:56

Yesssssss!!!!! Tempo oficial dentro do minuto 54!!!
E alguém ainda se lembra que eu andei - e ainda ando ligeiramente - com desconforto intestinal? É que nem eu me lembrei (excepto em cima da barragem), a avaliar por tudo o que comi e bebi neste fim de semana!
Acabaram as provas em Maio. A próxima será apenas nas Fogueiras, em Peniche. Agora já posso pensar nos planos de 5a feira e nos outros que estamos a preparar internamente.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Não há tempo para respirar

A prova de domingo está feita. Resta aguardar pela reunião para balanço final do evento.
A nossa reunião está feita, os próximos eventos estão em marcha: já neste domingo, já na próxima 5a feira (estou nervoso por antecipação, confesso), talvez em Setembro, de certeza em Outubro, de certeza no Natal e no Fim de Ano novamente.
E eu com vontade de me meter numa brincadeira à parte para Agosto, mesmo sabendo que é meio utópico e logisticamente complicado.

No meio disto tudo há uma Meia Maratona para fazer na Régua e eu começo a achar que a prova terá sempre um elemento extra de dificuldade ao qual não consigo escapar. Em 2016 aconteceu durante o mês de Maio tudo aquilo que alguns de vocês sabem e que não vale a pena recordar. Pimba, desisti ao km 15. Em 2017, na 5a feira antes da prova torci o pé durante o último treino e as palavras mágicas da nossa enfermeira juntamente com toda a força que recebi levaram-me a terminar batendo o meu record pessoal, já melhorado entretanto. Em 2018, também na 5a feira antes da prova, não consegui ir trabalhar devido a... problemas... intestinais... e nem sequer me senti com energia para um derradeiro treino ao fim do dia juntamente com a equipa. Talvez consiga fazer uns quilómetros amanhã, caso contrário será uma semana sem treinos. Se assim for, vamos acreditar que era o descanso que as minhas pernas precisavam neste fim de mês vertiginoso.

O que vale é que passei o serão a ouvir Mamonas Assassínas e isso é o suficiente para me dar a dose de parvoíce diária que preciso, deixar-me com um sorriso nos lábios e cheio de energia. Se calhar ainda os levo na playlist para o Douro Vinhateiro!

Agora vou ali lançar mais uns convites para dia 31 para poder estar - ainda mais - entre amigos.

terça-feira, 22 de maio de 2018

Alverca

"Eh pá, tanto tempo de preparação e isto acaba tão depressa...!"

Foram as minhas palavras para o Gajo da ET à entrada para o sétimo quilómetro, já na zona da pista de aviação, numa altura em que íamos lado a lado. Ele acabou 3 ou 4 segundos à minha frente e à hora de almoço jurou-me a pés juntos não se lembrar do grande abraço que demos depois da cruzar a meta. Na verdade - e já escrevi isto antes - é demasiado redutor resumir a prova ao tempo que demorei a concluí-la. Podia fazer aqui uma descrição ao pormenor de todos os quilómetros desta prova, mas poupo-vos a seca.

Se há provas que ficam no coração, esta é uma delas e a deste ano em particular. Quem já teve o privilégio de estar na organização de uma prova - ou de qualquer outro evento - sabe bem que existe uma linha ténue entre o prazer que dá trabalhar em prol dos atletas que tem sempre que superar o cansaço físico acumulado ao longo dos dias, das semanas, dos meses. E sim, acaba tudo demasiado depressa.

Fui convidado pelo segundo ano consecutivo a fazer parte do staff da prova. Este ano com funções mais alargadas - algumas por minha culpa porque quis fazer mais do que me foi pedido - que me trouxeram mais dores de cabeça que o que eu gostaria, mas que me deram um prazer enorme a organizar. Eu, que prefiro sempre ficar no meu cantinho e passar despercebido, dei a cara de forma mais activa e a partir de certa altura, semana após semana, recebia o retorno em dobro. Fiquei de coração cheio.

Na semana anterior fiz zeroooooo treinos!
Na véspera da prova houve jantar de aniversário no restaurante mexicano, com jalapeños e margaritas.
Às 7:15 de domingo já estava ao telefone a ser informado que um dos meus projectos para a prova iria falhar, por culpas alheias. 
No resto da manhã ainda estive a entregar e a coordenar a equipa que entregou os últimos dorsais e kits. Dez minutos antes da partida, já depois de despir a camisola de staff e de vestir a de atleta participante, ainda estava ao telemóvel a dar umas informações e indicações finais.

Quando dei por isso já estava a correr e uns 7 ou 8 minutos depois - 49:28 para ser mais rigoroso - estava a cruzar o pórtico da meta. Passou demasiado rápido, mas não tinha acabado. A cada passo que dava encontrava caras conhecidas, caras amigas, abraço, beijinho, feedback positivo, feedback de áreas onde houve falhas (porque as houve, obviamente!), telefonemas para aqui e para ali, entregas de prémios, pódios, sorrisos, muitos sorrisos, conhecer ao vivo e a cores malta com quem até ali só tinha falado por telefone/e-mail/mensagem. Enfim, uma sucessão infindável de acontecimentos que, infelizmente, passaram demasiado depressa. Ainda agora estou demasiado eufórico a falar e a pensar em tudo isto.

No fim, uma certeza: repetia tudo novamente já a partir de amanhã!
Se me quiserem, regressarei com todo o gosto em 2019! 

E a prova? Fiz sub-50 pela primeira vez, aproveitando a boa onda do mês de Maio que não foi quebrada pela semana mais cansativa e aproveitando também o percurso linear com altimetria negativa por não fazermos a subida final que nos levaria à zona da partida e onde estava também situada a meta nos dois anos anteriores. Numa prova que teve sempre percursos diferentes em todas as edições o meu histórico é:

2015 - 00:59:54
2016 - 00:50:14
2017 - 00:51:17
2018 - 00:49:28

Agora vamos ao Douro Vinhateiro para desempatar o jogo a meu favor!

Prova nº 86 - Corrida Cidade de Alverca 2018 - 10km - 49:28

domingo, 13 de maio de 2018

Um avião na Hovione

Segundo fim de semana da Maio, segunda prova. Desta vez rumei a Loures para participar na segunda edição da Corrida da Hovione. Uma viagem não muito longa e um preço convidativo são bons cartões de visita. A isto junta-se uma caminhada gratuita (e solidária) e uma organização me pareceu e qualidade e que se mostrou atenta, nomeadamente na decisão de atrasar a corrida em alguns minutos (primeiro dez, mas depois foram só sete) por causa de um atraso no início da caminhada e que faria com que os atletas de ambas as vertentes fossem colidir a certo ponto. É claro que poderiam ter pensado nisto de antemão e dar logo tempo suficiente para eventuais atrasos, mas também podiam não ter tido este cuidado.

Do que não gostei - digo já - foi da distância marcada pela generalidade dos relógios na prova, todos a rondar os 9,8km. Por outro lado passámos num túnel que pode sempre fazer mossa no GPS e foi-me garantido por quem treina por ali que na zona do LoureShopping por onde passámos o GPS também costuma falhar. Mas, e há aqui um bom mas, também encontrei já registos de 10km medidos certinhos. Também não gostei do pacer dos 5:00/km e aparentemente a pacer dos 6:00/km também não foi certinha como se pedia. Senti que o pacer dos 5:00/km foi irregular no andamento. Passou-me algumas vezes - e eu a ele de volta - e em algumas zonas quase que parecia parar. Já vi esta questão ser abordada ali na rede social e reconheço que deve ser um papel complicado, mas super interessante.

E porque reparei eu tanto no pacer? Porque a partir do momento em que vi que havia pacers que o objectivo de fazer sub-50 ganhou mais força e a ideia era sempre chegar antes dele. E consegui, apesar de nos termos ultrapassado mutuamente algumas vezes.
Nesta fase fazer sub-50 é, felizmente, o objectivo normal para uma prova de 10km, no entanto já me tinham deixado algo apreensivo por causa do percurso e da altimetria, nomeadamente a subida que rumava precisamente à Hovione e que estava colocada a meio do percurso. Ainda hoje assim que cheguei a Loures foi logo a primeira coisa comentada pela amiga com quem me cruzei. Eu rematava que depois havia retorno e teríamos oportunidade de descer, caso houvesse pernas para isso. Havia também outra subida aos 8km... mas depois era sempre a descer até à meta.

O dia prometia sol, apesar de estar um vento fresco de manhã, que foi desaparecendo à medida que se aproximava a hora da partida. Chegámos bastante cedo, fruto de termos uma boa parte de participantes que fariam a caminhada e teriam que apanhar os autocarros disponibilizados para se deslocarem para a zona da sua partida. Depois disso, o tempo foi passando rapidamente entre aquecimento e convívio entre nós e com malta amiga com quem nos íamos cruzando. Tendo em conta que um dos colegas de equipa presente é funcionário da Hovione ele ia falando com muitos colegas que estavam a tratar dos últimos preparativos.

Ao começar a corrida partilhei que ia experimentar uma estratégia que é adoptada por um amigo: tomar um gel logo de início para fazer os 10km. Acho que a única vez que tomei um gel numa prova desta distância foi aos 5km da São Silvestre dos Olivais por ter rebentado na primeira metade. Como a partida adiou optei por aguardar e tomar à passagem do primeiro ou segundo quilómetro quando já estivesse num ritmo certo. O início foi confuso, até porque parti muito atrás, mas consegui ir ziguezagueando até chegarmos a uma zona onde a estrada era larga. Comecei a pensar então em tomar o gel que tinha colocado no plástico do dorsal e que já me ia a irritar por estar a abanar tanto. Quando fui pegar nele... tinha rompido o plástico e caído algures naquele primeiro quilómetro sem que eu tenha dado por isso. Paciência, testo esta estratégia noutro dia.

Fui mantendo um ritmo controlado com o tempo geral sempre abaixo dos 5:00/km até chegar à tal subida onde o ritmo piorou e onde o pacer me passou pela primeira vez. Fui atrás dele e assim que se deu o retorno deixei-o largamente para trás. E como sempre nos retornos: olhos do outro lado da estrada porque há amigos (muito) mais rápidos e outros menos velozes a quem eu faço sempre questão de dar uma palavra de força e apoio.

Mantinha-me confiante à medida que os quilómetros iam passando. Música nos ouvidos, sol a bater na cara, amigos espalhados algures pela estrada fora, poucos sinais de cansaço. Tudo ok, preparado para deixar tudo no alcatrão na última fase da prova. E, de repente, assusto-me ao ver... o pacer dos 5km ultrapassar-me e eu a não conseguir encostar a ele. Já agora, nem eu, nem ninguém. Estávamos na zona da Igreja de Santa Maria onde havia um largo para darmos a volta e muito empedrado. Foi no final desse largo que apanhei novamente o pacer que me confirmou estar um pouco mais rápido que o ritmo esperado. Eu segui - mais caras amigas do outro lado ainda a tentar chegar ao retorno.

Era hora da outra subidinha mais complicada, mas... nem correu mal. E no final ouvi que agora era sempre a descer até à meta. Meti o turbo e levantei voo. Olhei para o relógio e vi que o sub-50 estava mais do que garantido portanto agora era só fazer o melhor possível. E esse melhor ficou a poucos segundos do meu record pessoal! Quando entrei na reta da meta vi o que marcava o relógio oficial e acelerei ainda mais até passar o pórtico. Se a prova não tem os 10km certos, paciência, a culpa não é minha. O tempo final há-de ficar registado e o objectivo de mais um sub-50 estava no papo. Festejo ao cortar a meta e encaminho-me para receber as ofertas finais: medalha, água, maçã e um sandes de carne assada que foi uma surpresa agradável. Só falou estar uma banca de imperiais no jardim junto com todas as restantes actividades programadas para a tarde.

Logo a seguir chegou outro colega de equipa a quem eu rapidamente pedi que ficasse com as minhas coisas. Ele acedeu e eu voltei atrás para ir buscar uma amiga. Ao entrar em sentido contrário na prova vi que o resto da malta da equipa estava bem e que não precisavam de reboque, mas ela precisava de um estímulo extra e ele apareceu. Aliás, eu apareci. E viemos juntos a voar também até à meta. Missão cumprida!

Seguiram-se algumas fotos, uma ida ao pódio ver a entrega de troféu a um amigo e estava na hora de regressar, embora o tempo e o ambiente convidasse a um piquenique no parque da cidade. Fica para a próxima. Em resumo: convívio, bom tempo e boa marca num percurso com altos e baixos. E falando no percurso, achei-o nem sempre agradável à vista com passagens por zonas nem sempre interessantes e por algumas vias meio secundárias. Seria o percurso possível ou era mesmo tudo o que Loures tem para oferecer?

Próxima paragem: Alverca

P.S: Tendo ou não os 10km, fica registado como a minha terceira melhor marca na distância. E caramba, sempre é melhor ter uns metros a menos do que ter 12,5km como outra prova - de 10km - que se realizou hoje em Lisboa...!

Prova nº 85 - Corrida Hovione 2018 - 10km - 48:31

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Eurovision Song Contest 2018

Bem, também fui apanhado pela febre da Eurovisão e perante a impossibilidade de ter bilhetes para a final ou até para uma das semi-finais, a alternativa foi ir ver um dos ensaios a meio da tarde. A coisa é toda feita de forma profissional e o bilhete só custou 5€, portanto é uma forma pacífica de ter um cheirinho deste louco mundo por dentro.








Foi um espectáculo interessante de se seguir, com imensa pirotecnia e fogo dentro do Pavilhão Atlântico (nota-se que sou velho e não digo Altice Arena) e com muita animação fora dele. Incrível a quantidade de gente que isto movimenta e a maneira fervorosa como muitos vivem a Eurovisão e se vestem "a rigor" para a ocasião. 

Penso que Portugal tem estado bastante bem como país organizador - e há que aproveitar que provavelmente nunca mais teremos essa possibilidade - e do que tenho visto a Filomena Cautela tem tido apontamentos fantásticos, sem desprimor para as restantes apresentadoras.

Gostei da Austrália (entre outras) embora tenha a noção que a "Beyoncé" cipriota vai ganhar aquilo. Fiquei tremendamente desiludido com a Suécia. Costumo gostar das músicas que levam, uma delas já passou aqui por este cantinho, mas este ano tive que gramar com um "Justin Bieber".

Para a vossa consideração por mim não descer assim muito drasticamente à conta deste post, à noite ainda houve energia para mais um treino que teve novamente convidados de luxo e que encerra assim um ciclo que me deu um gozo tremendo a organizar.

terça-feira, 8 de maio de 2018

Let it go, this too shall pass

Fez ontem 2 anos.

Tinha dito que não voltava a falar de quem não merece. Não consegui, mas o facto de estar a escrever com um dia de atraso é sinal que pelo menos a coisa está cada vez mais arquivada num cantinho da minha mente e da historia da minha vida.

Mesmo assim, ainda há aqui qualquer coisa que não está totalmente encerrada. Depois de muito tempo sem acontecer, na semana passada dei de caras com quem não merece. Fiquei impaciente e atormentado. Ferveu-me o sangue imediatamente. O meu lado "Suiça-durante-a-Segunda-Guerra-Mundial" transformou-se em algo que não vou transcrever aqui mas que seria uma palavra longa, cheia de hífenes e asteriscos. Muitos asteriscos.

Não há volta a dar, há coisas que o tempo ainda não curou e tenho que me continuar a mentalizar que de vez em quando vou passar por estes 96 segundos em que o meu lado emocional quer dar cabo da minha paz interna. Sim, contei cada segundinho que passou até acabar o martírio.

"You know you can't keep lettin' it get you down
And you can't keep draggin' that dead weight around
If there ain't all that much to lug around
Better run like hell when you hit the ground"

This, too, shall pass. E, valha a verdade, foi o dia 7 de Março de 2016 que deu origem, de forma indirecta, a este blog. Always look on the bright side of life.

(Ontem a outra efeméride do dia fez 14 anos. And nothing else matters!)

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Obrigado Norberto!

A primeira etapa deste louco mês de Maio começou em Setúbal, na 29a edição da Meia Maratona da cidade. E começou graças a um passatempo que ganhei, caso contrário acho que ainda não era este ano que lá ia experimentar a prova. Mas... há sempre tantos mas... estive em risco de não ir porque no sábado ao fim da tarde o carro voltou a dar um ar de sua graça e foi dormir à porta do mecânico à espera que a oficina abra na 2a feira. Felizmente havia alternativa (não 100% viável, porque eu e carros andamos de candeias às avessas, mas uma alternativa) e a viagem fez-se rumo à promessa de um almoço de choco frito, promessa essa que também não se cumpriu. E para fechar este capítulo, imaginem aqui este vosso amigo às 7:45, equipado, num posto de abastecimento a não conseguir atestar o depósito e a rogar pragas ao mundo inteiro. Porquê? Porque estava a tentar meter gasóleo no carro a gasolina e a agulheta não entrava no depósito. Agora já consigo rir do sucedido e sempre aprendi qualquer coisa. Aprendi eu e o senhor a quem fui desesperado pedir ajuda.

Viagem feita, dorsais levantados, cumprimentos da ordem ao cruzar com alguns amigos. Comentário certeiro: "Ah bom, estava a achar estranho já teres entrado no Alegro há dois minutos e ainda não ter falado a ninguém!" Éramos dois elementos da equipa (mais claque de apoio) e na fila para os dorsais estava também o terceiro elemento com quem não tínhamos combinado boleia mas que encontrámos ali, na partida e depois na chegada. Alturas perfeitas para fazermos as fotos da praxe.

A minha colega ia fazer a estreia na Meia Maratona e ficou assustada quando ouviu o outro companheiro de equipa a falar da Arrábida. Na 5a feira pediram-me para não lhe dizer nada para não a assustar, mas ali não fui a tempo de travar a descrição da prova. "Ainda se fosse trail..." dizia ela... "Fazes de conta que é. Fala-se em Arrábida, olhas para a paisagem e imaginas que é trail."
No meio disto tudo saíram uns últimos votos de força e que ela se divertisse acima de tudo. Partida!

Música nos ouvidos, buff na cabeça a proteger dos 27 (30 em algumas zonas) graus que se fizeram sentir e um ritmo vivo durante os primeiros quilómetros. O tal colega dizia-me que eu podia bater o meu melhor tempo, mesmo com a dureza da prova. Eu não acreditei nele, nem sequer ia com essa ambição. Mesmo assim arranquei confiante e a sentir-me solto. Descemos para a Av. Luísa Todi, viragem para o Estádio do Bonfim e primeiro ponto de retorno. Achei muito estranho não ter reconhecido quase ninguém que vinha em sentido contrário, mesmo sabendo que havia por ali algumas caras conhecidas cujas pernas são mais rápidas que as minhas. Iria demasiado depressa, demasiado distraído ou encadeado pelo sol? Pelo menos encontrei malta conhecida atrás de mim quando eu fiz a primeira viragem.

A primeira metade da prova foi mesmo rápida e cheguei aos 10km com 53:37. Melhor do que isso, não estava a mostrar sinais de cansaço, mas sabia que o pior estava para vir. Para além disso já tinha notado que já tinha bebido mais água até àquele momento do que às vezes em toda uma meia. O calor não perdoava.

Arrábida à vista! Ritmo a reduzir ligeiramente primeiro e depois de forma mais acentuada ao km 12. E foi nesta subida que apareceu o meu herói improvável. Ia eu a gerir o esforço - ainda sem parar, ao contrário de muitos outros à minha volta - quando sinto um toque nas costas, seguido de um "Bora lá, N., anda daí" que consegui ouvir por cima da música que levava nos ouvidos. E eu fui durante uns metros, até não conseguir acompanhar mais aquele atleta. Não o reconheci e ele chamou-me pelo nome que viu nas costas da camisola. A seguir à subida (feita a ritmo de 7:03) veio uma descida (a 5:09) e eu passei por aquele amigo de circunstância. Dei-lhe uma palmada nas costas e disse-lhe que ele já me apanhava na próxima subida. Ele concordou e disse-me que "já te apanho." Ainda olhei para o dorsal dele e ri-me com o nome. Norberto! A sério? Mesmo? 

Mas ele nunca mais me apanhou naquela fase. Fiz o retorno e segui rumo ao abastecimento dos 15km que já tinha visto quando ia do outro lado da estrada. Quando lá cheguei parei. Tinha ficado de olho nas laranjas e assim que comi um quarto percebi que ia ficar ali um bocado, como se fosse um abastecimento de trail. Devo ter comido uns 5 ou 6 quartos de laranja. Eu e muitos outros, sedentos de algo que nós ajudasse a refrescar. Espero sinceramente ter havido laranjas para todos. Se não houve, as minhas desculpas pela minha quota parte de culpa. Parei durante um minuto e meio e assim que voltei a correr tinha pela frente a última subida, que tão facilmente tinha descido há uns quilómetros atrás. Comecei a andar até aparecer o Norberto novamente. E ainda olhei para o dorsal outra vez para confirmar o nome. "Anda, mete ritmo na subida. Mexe os braços para ajudar, vamos lá!" Fui novamente com ele subida acima até que segui sem ele. Não lhe consegui agradecer nem trazê-lo comigo na descida. Fiquei com peso na consciência, mas o que é certo é que meti mesmo um ritmo certinho que gradualmente era maior que o dele. Encontro-te no fim. Ou depois na classificação e procuro-te na rede social.

De regresso a Setúbal vinha uma parte da prova que eu achei mais dura que a Arrábida: uma passagem mesmo ao lado da meta aos 18km. Não sei se há algo que me tire mais a força como passar na zona da meta e ainda ter que dar uma volta algures. Apesar de estarmos em plano tive que andar algumas vezes. O calor não perdoava e aumentava o factor cansaço. A quinhentos metros da meta ainda tive que voltar a caminhar mas depois consegui finalmente arrancar e só parar com a medalha na mão.

Falhei o objectivo das duas horas. Não tivesse parado a comer laranjas tinha ficado résves. Mas sem o apoio do Norberto também tinha ficado longe desde marca.

Estava na hora da função habitual de voltar atrás para ir buscar a minha colega. Como fui pelo percurso da corrida fui encontrando amigos em puro estado de cansaço. E ela também vinha assim mas, felizmente, não tão longe. Receava que ela tivesse quebrado mais, mas aguentou-se bem. Mesmo assim grande parte dos quase 3km que fiz ao lado dela foram a caminhar. Excepto na recta da meta. Aí foi a correr para todos verem!
Missão cumprida e registada pela claque. A primeira Meia Maratona dela estava feita! O nosso outro colega chegou pouco depois.



Não houve choco frito, já tinha dito? Ele fugiu a correr dali para fora e aproveitou o cansaço dos atletas para escapar. Ou então a confusão era tal que não dava para entrar em nenhum restaurante. No entanto, a tarde naquela zona correu igualmente bem.

A classificação foi muito rápida a sair e lá fui eu à procura do Norberto, só que não. Nada. Nem um único Norberto nesta prova. Seria ele real? Ou uma miragem causada pelo calor? Teria eu inventado? E logo com este nome? Fica a dúvida... E fotos? De certeza que alguém teria tirado uma foto ao rapaz! Mas nada...

(À hora que escrevi o rascunho do texto da prova era este o estado das coisas, mas ao final da noite houve, finalmente, uma evolução.)

Depois de muito tempo sem perceber pela classificação quem seria o Norberto, eis que aparecem mais fotos da prova e num desses álbuns lá conseguir encontrar uma fotografia do jovem. Afinal é Roberto, caramba! Resta-me encontrá-lo na rede social porque a atitude dele foi 5 estrelas. Ainda hoje me diziam que o meu hábito de voltar atrás nas provas para ir buscar colegas menos rápidos merece mais que uns kudos e uns likes. Ora aqui está a maneira do universo me retribuir!

O resto da tarde foi agradável, num dia de sol e calor fantástico. Como dizia um agente da autoridade, estava um tempo óptimo, excepto para quem corre.
O desfecho foi super positivo, mas não sei se volto a fazer a prova sem uma melhor preparação. Cheguei a comentar com o João Lima que isto era um Fim da Europa mais longo. E em nada fica a dever à meia das Lampas, por exemplo, outra prova que passa pela metas.
 
Próxima paragem: Loures

Prova nº 84 - Meia Maratona de Setúbal 2018 - 21km - 02:02:20