segunda-feira, 16 de julho de 2018

Férias

Já começaram e vão estender-se até perto do final do mês. Queria ter deixado um post diário com uma playlist para vos entreter durante estas semanas, mas como não consegui deixo apenas aqui a maior das surpresas que descobri nos 3 dias de NOS Alive. Até breve!




domingo, 8 de julho de 2018

Hello darkness, my old friend

Não há volta a dar. Às vezes a vida é uma treta e deixa-nos tristes, irritados, desmotivados e deixa-nos marcas que demoram a passar. No meu caso o que faço é fechar-me no meu casulo e isolar-me de tudo e de todos, incluindo daqueles que me querem bem e daquilo que me faz bem. É um traço de personalidade que nunca vai mudar - e acreditem que já tentei. Resolve os problemas? Nem por isso. Ajuda-me a ficar melhor? Não, mas é mais forte que eu.

Entretanto, num assunto completamente não relacionado com o parágrafo anterior, este semana há NOS Alive. O que era suposto ser só um bilhete para o dia 14 transformou-se num passe de três dias. Vamos a isso, já que este ano é muito mais musical que os anteriores. Ainda não vos falei da minha experiência no concerto de Queen e em Setembro também há Imagine Dragons. Umas das minhas bandas de eleição - os Snow Patrol - vai actuar já no dia 12. E para o ano estão no Campo Pequeno em Fevereiro em nome próprio. Não há fome que não dê em fartura! Como sei que têm álbum novo tenho andado a devorá-lo em loop, ajudado pela minha mania de tentar fazer tudo o que seja tarefas domésticas com música de fundo, sobretudo aquelas relacionadas com a cozinha: estender/apanhar roupa; tirar/meter a loiça na máquina; etc.

O álbum começa assim:


"Life on Earth"
Snow Patrol
 
(...)
"It shouldn't need to be so fucking hard
This is life on earth
It's just life on earth
It doesn't need to be the end of you, or me
This is life on earth
It's just life on earth"


(...)

E continua assim:



"Don't Give In"
Snow Patrol
 
(...)
"Don't give in
Don't you dare quit so easy
Give all that you got on the soul"

(...)

Porra, que esta malta voltou em grande estilo! E inspirado pelas letras destas músicas - e do resto do álbum - hoje de manhã fiz-me à estrada e fui correr! Um treino em ritmo de Maratona e com muito calor, mas aquele calorzinho bom que eu gosto tanto de apanhar!


Em breve falo de outra banda pela qual me apaixonei novamente nos últimos dias e que também tem estado em loop sucessivo na minha playlist caseira. E são portugueses, já agora!

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Haja pernas!

O plano de festas para a segunda metade do ano é mais ou menos assim:









E como ainda há fins de semana livres, há espaço para:
- um possível trail em Setembro. Sim, uma cena dessas!
- mais duas Meias Maratonas em Outubro, sempre para serem feitas em ritmo de treino longo.
- o Grande Prémio de Natal em Dezembro, se ainda tiver coragem...
- uma prova "mistério" onde só vou decidir se me inscrevo depois de saber a data.
- a São Silvestre de Lisboa, pelo convívio e para fazer um trocadilho espectacular!

Peço-vos... Se me virem cair para o lado, parem o meu relógio e façam upload no Strava, ok?
Obrigadinho!

terça-feira, 3 de julho de 2018

Sabotagem!!!

Hoje é dia de treino da equipa, mas não vou treinar. Como tenho tempo livre pensei em compensar isso com uma caminhada do trabalho até à estação. Abro o Google Maps e começo a ver qual dos caminhos fazer:

- cerca de 2,5km até Sete Rios
- cerca de 3,5km até Entrecampos
- cerca de 4,5km até Roma-Areeiro
- cerca de 5km até Santa-Apolónia

...
...
...
...

Recebo um SMS. "Vou passar por aí, dou-te boleia quando saíres do trabalho."

Sabotagem, sabotagem!!!

domingo, 1 de julho de 2018

Fogueiras 2018

Quarta participação na Corrida das Fogueiras em Peniche. Já disse - e repito - que é uma prova única no nosso país ao nível do apoio aos atletas. Qualquer comentário que se faça não faz juz àquilo que se sente quando estamos a correr nestes 15 quilómetros. Quem não conhece a prova, que a vá fazer um ano e garantidamente que vai sempre querer voltar. Prometo!
 
O meu resumo desta prova traduz-se em:
 
- 127 "high-5" que dei a crianças durante todo o percurso
- 20 "Bora lá Peniche!"
- 14 "Essas palmas pessoal? Não estou a ouvir nada!"
- 12 "Toca a fazer baruuuulhooooooo!!!"
- 1 festinha a um cão ao colo de uma menina

E ali por volta do quilómetro 6, antes de entrarmos na zona do Cabo Carvoeiro, dizia um atleta da casa que "está tudo com ar tão sério que parece que toda a gente está a correr para ganhar medalhas e nem agradecem o apoio do público!". Respondi-lhe que ao ritmo que estava ou falava ou corria, mas que batia palmas a todos os espectadores como agradecimento. No total, fi-lo durante 437 vezes. 

"Ena, que exagero, és mesmo parvo, pá!"
Para quem estiver a dizer ou a pensar isto - inscrevam-se na edição de 2019 e depois conversamos.

Não é segredo nenhum que esta é das provas que eu mais anseio durante todo o ano, até porque normalmente marca uma espécie de final de época antes das férias de verão e - desde há uns anos a esta parte - o início do plano de treinos para a Maratona do Porto. Infelizmente, este ano a vontade era menor que o habitual, fruto de uma semana meio estranha e que culminou com uma série de problemas pessoais que serão resolvidos de forma pouco ortodoxa e que vão marcar um ponto de viragem em algumas das rotinas. Mas isto são contas para outro rosário...

Fui reler relatos de outras provas e percebi que normalmente tenho o mesmo tipo de discurso. Ah e tal, tive uma semana péssima, aconteceu-me X, Y, e Z mas depois fiz uma prova do caraças e superei as minhas expectativas. Não vou sequer entrar por aí, mas assim de repente quase que me aconteceu o abecedário inteiro. Não há volta a dar, a vida às vezes mete-se no meio das corridas e isso chateia, desanima, irrita, dá cabo da motivação... Porquê? "Porque a vida não é só corrida", nas sábias palavras de um amigo meu. Continuando...

Eram exactamente 4:00 da madrugada quando me atirei para cima da cama, depois de chegar a casa e tomar um grande banho que me fizesse tirar - ou pelo menos disfarçar - o cheiro a sardinhas que estava impregnado na roupa e na pele e dentro do carro no qual tive que voltar a pegar já hoje pelas 9:00. E ter ido dormir a essa hora significou que a noite de sardinhada depois da prova valeu muito a pena e foi o tónico para minimizar tudo o resto daquela coisa, a vida. 

Quando a meio da noite uma colega de equipa (que tinha feito a estreia na prova) me perguntava a quem é que tinha que pagar a senha da entrada no recinto eu ri-me bastante por dentro e ri-me muito com ela quando lhe confirmei que fazia parte da inscrição. "A sério, uma prova espectacular e ainda temos direito a isto?". Sim!

Sardinhada depois da prova! Só por isto vale a pena ir às Fogueiras!

Pronto, agora que já disse uma disparates sem grande nexo e já vos fiz perder o interesse no texto, deixem cá escrever alguma coisa com pés e cabeça. Parti para as Fogueiras depois de uma semana e tal sem treinos, mas com muitas caminhadas para me manter activo. Acho que ainda estava na ressaca da questão do fim de semana anterior com um misto de preguiça pura que tentei esconder atrás de sintomas - verdadeiros - de constipação e de dores de garganta. Devo ter andado a fazer uma média de 3km por dia a caminhar com destaque para a ida na 5a feira depois do trabalho até à sede da Xistarca em Alcântara - só aí foi uma caminhada de exactamente 3km - e da ida até à FIL na 6a feira para a Feira Internacional de Artesanato onde ma fartei de andar pelos pavilhões. Mais um tópico para as muitas actividades extra-curriculares que me têm acontecido ultimamente.

A ida até Peniche foi tranquila, mais ou menos bem combinada e com planos de muita festarola depois da prova. A problemática da selecção jogar - novamente, tal como em 2016 - fez com que todo o pré-prova fosse feito com base no horário do jogo. Mesmo assim, acabámos por ir equipar durante a segunda parte e ficar a ouvir o relato nos carros. Infelizmente o resultado não foi igual ao do Euro onde naquela noite ganhámos à Croácia no prolongamento. O que eu tenho a destacar é o facto da derrota e da eliminação do Mundial não ter esmorecido o apoio popular durante a prova. Obrigado por isso!
 
Rumei tranquilamente com parte da equipa até à Onda Amarela, sabendo novamente que não iria terminar a prova com um tempo correspondente - teria que ser abaixo de 1:15, portanto teria que bater o meu RP na distância. O resto da malta foi para a Onda Azul, excepto o nosso amigo flecha que foi lá para a frente e fez a prova numa hora e só não fez melhor porque tinha passado a semana altamente constipado e cheio de febre. Ah valente! (Perneta, quando cá vieres ler, é o tal atleta!)

Tentei impor um ritmo a rondar os 5:00m/km até onde fosse possível e estava a correr bem, mesmo tendo em conta os quilómetros iniciais onde o percurso é estreito até chegarmos à BP e ao respectivo retorno. As coisas iam correndo dentro do esperado, era só ir mantendo o andamento sem esticar mais. E começava o festival dos high-5, das palmas, do público e do meu sorriso quando me liam o nome no dorsal ou na camisola e chamavam o meu nome.

Na subida até ao Cabo Carvoeiro percebi que tinha baixado ligeiramente o passo e depois quando lá cheguei fiquei com a clara impressão que essa zona estava muito menos iluminada que nos anos anteriores. Havia fogueiras na mesma, mas faltaria provavelmente a lua para dar outro brilho e outra luz ao percurso. Optei por seguir sempre atrás de outro atleta para pisar o mesmo chão, com receio de algum buraco ou algum desnível que pudesse provocar algum contratempo infeliz. Fiz quatro quilómetros ligeiramente acima de 5:30m/km e foram esses que fizeram a diferença no final em relação ao tempo que gostava de ter feito para melhorar ou igualar o de 2017. Sem stress!

Regressando ao centro de Peniche era só mais um pulinho até à meta e ela lá estava à minha espera. Cruzei-a com um sprint final para tentar ganhar uns segundos, mas sobretudo com um sorriso rasgado depois de ter acabado de ver a minha claque pessoal instantes antes junto ao gradeamento. E passei a meta com um chip extra, o do meu "mentor" que estava inscrito e acabou por não comparecer. Levei o meu chip nos ténis como normal e o chip dele junto ao meu dorsal. Uma singela homenagem que vale o que vale e que ninguém reparou - nem mesmo hoje depois de se ver a classificação dos membros da equipa. Nem era suposto repararem, obviamente. Eu é que me senti mais acompanhado a correr assim. E apresento deste já as minhas desculpas por falsear os números totais de finishers...

Meta cruzada, fotos tiradas logo ali, medalha ao peito. Segui até ao local da claque - na altura ainda era uma claque unipessoal e que estava com frio por causa da chuva que apanhou durante a caminhada. Ah sim, eu disse que apanhámos uma bela chuvada durante a prova? Até nisto Peniche mantém-se fiel ao temperamento habitual da zona oeste. O passo seguinte era o habitual: ir em sentido inverso buscar o resto da malta da equipa. O espírito de ninguém ficar para trás não muda e no abraço dado depois da meta quem tinha vontade de chorar era eu. Só porque sim, porque estes momentos me fazem esquecer os tais outros problemas.

Prova concluída, era hora de rumar aos carros para mudar de roupa e ir buscar o resto do farnel para juntar às sardinhas oferecidas pela organização. E a partir daí foi a festa até às tantas! E durante esses momentos os problemas e as preocupações desaparecem. Assim sendo, para continuar com este espírito, hoje já me inscrevi em duas provas. Mais novidades noutro post, um dia destes. Haja pernas!

Prova nº 89 - Corrida das Fogueiras 2018 - 15km - 01:20:25


 

domingo, 24 de junho de 2018

"...em Setembro conversamos."

Em Março, no rescaldo daquela prova única que foi a Meia Maratona do Eixo Norte-Sul, escrevi o seguinte:

"Foi a minha 15ª Meia Maratona e foi a 5ª que terminei abaixo das duas horas. E se a ideia é apagar resultados menos conseguidos do passado, então alguém avise a Meia das Lampas que em Setembro conversamos."

Como sou pessoa de cumprir com as minhas promessas, a inscrição foi feita a meia da semana e paga hoje. Será sempre feita já bem dentro da preparação para a Maratona do Porto em Novembro, mas com a ideia de fazer melhor do que fiz na única vez que tive o prazer de estar presente nesta prova.

42ª edição - número mítico!


Depois há várias particularidades que me faziam querer regressar este ano como o facto de ser a edição número 42. E o facto da prova se realizar nas proximidades do meu aniversário faz com que tenha por ela uma estima particular. Num destes anos há-de calhar no próprio dia e desconfio que lá estarei nessa edição. Este ano há outra novidade interessante: a Meia Rampa!

Quem conhece o percurso sabe que passamos pela meta aos 13km, portanto este ano vai haver uma prova exactamente com essa distância para quem não se quiser aventurar na Meia Maratona. Assim de repente, e sem fazer grandes pesquisas, desconfio que seja a única prova de estrada desta distância no calendário. E quem "só" fizer este percurso já fica com uma excelente ideia da razão pela esta prova é carinhosamente apelidada da Meia das Rampas. Para quem não conhece, a altimetria dos 21km é assim:

Lindo!!

Vamos a isso, que o meu plano de treinos para o Porto é de 20 semanas e já começou na segunda-feira sem eu ter reparado. Querem vir às Lampas? Vejam aqui, vá.

sábado, 23 de junho de 2018

Desafio: profissionalismo!

Vou ser breve e vou direito ao assunto. Fiquei satisfeito por isto. No dia 30 de Maio ficou tudo acertado para ser compensado com a inscrição no evento do dia de hoje, depois do infeliz engano na prova no Jamor. Tudo ok, e-mails guardados para referência futura, fiquei descansado.

Tudo mudou quando ontem à noite tive finalmente resposta ao meu pedido de confirmação de horários e de lista de inscritos. "Apareça!" foi a resposta que me deram, mas, como eu já receava, o meu nome não constava na lista. "Sem problema" li hoje de manhã, seguido de um pedido de confirmação de dados e do desafio onde queria ser inscrito. Depois de ter dormido super mal e de ter acordado em qualquer vontade de participar, esta resposta absurda deixou-me a ferver. Tinha ficado tudo tratado no dia 30 de Maio e a informação estava toda naquela troca de e-mails. Estava tudo no e-mail anterior, mas nada foi feito. 

Incompetência, falta de profissionalismo, incapacidade em manter a palavra e um desrespeito total onde nem um pedido de desculpas recebi: foram estas as razões que me fizeram desistir de participar nesta prova, mesmo com a promessa recebida esta manhã que o meu nome acabaria mesmo por constar na lista de inscritos.

Assim sendo, apesar de adorar o conceito e a experiência de correr em pista, terminou definitivamente o meu interesse em qualquer futura prova do Challenge 3000. Eu sou apenas uma gota de água no meio do vasto oceano de atletas que todas as semanas participam em provas por tudo o país. Sei que não sou ninguém, sou apenas mais um no pelotão. Estar ou não estar é igual, portanto ambos vamos seguir o nosso rumo, mas de forma separada. O Challenge 3000 vai continuar a ter atletas a participar e eu vou continuar a participar em provas. E seremos ambos muito felizes longe um do outro.

Até sempre, Challenge 3000!