quarta-feira, 15 de março de 2017

Equipa, com E maiúsculo.

Quando eu comecei a correr, corria sozinho. Corria de forma esporádica, quando tinha tempo, sem grande plano e sempre a direito. Metia os phones nos ouvidos e ia. Pensava em tudo e não pensava em nada.

Uns tempos depois comecei a usar uma aplicação no telemóvel para controlar o que fazia e achava piada ver se ia melhorando. Até que vi o primeiro treino do que é actualmente o nosso grupo e fui. Sem hesitar, mas sem saber ao que ia. Passado o primeiro quilómetro já estava sozinho na cauda do grupo e a ficar longe de todos. Tinha entrado noutro mundo, aquilo era tudo gente cheia de experiência e com um andamento brutal para mim. Felizmente tive apoio e já disse e repito que sem essa ajuda não teria voltado para o treino seguinte.

Ontem éramos 12 pessoas no treino, uma delas a fazer a sua estreia e cheia de medo de não conseguir aguentar o andamento. Tentei tranquilizá-la, como fazemos com toda a gente que vai pela primeira vez. Ninguém fica para trás, o último é sempre o mais importante. Assim foi durante todo o treino.

Sem combinarmos entre nós - os mais "séniores" - ela esteve sempre acompanhada por duas ou três pessoas que nunca a deixaram sozinha e sempre lhe foram dando dicas para a ajudar e força para continuar. Um simples olhar para trás e levantar de polegar era o suficiente para os da frente saberem que estava tudo ok. Um sentido de consciência e de responsabilidade fazia com que de vez em quando alguém da frente viesse ter com ela para trocarmos e para dar a possibilidade de também podermos acelerar um pouco. E quando o percurso permitia quem ia à frente dava mais uma volta ao quarteirão para deixar o grupo da nova companheira passar para a frente durante uns bons metros até reagruparmos todos novamente.

Ontem também tivemos um outro amigo que nos fez uma visita. Ficou agradado com a nossa forma de agir e partilhou comigo que ainda no fim de semana tinha ido correr noutras paragens e que tinha levado um colega. Disse que acabaram por fazer um treino de 10km a 5:30m/km e que ficaram sozinhos porque todos os restantes cerca de 20 elementos que estavam presentes voaram por ali fora e foram todos a um ritmo elevado deixando para trás quem não conseguia acompanhar. Dizia-me ele também que era fantástico conseguirmos manter esta nossa identidade. Já no domingo os nossos amigos tagarelas elogiavam a nossa facilidade de integrar novos elementos no grupo, de ter um espaço aberto a todos independentemente do ritmo, do andamento, da capacidade física. 

Ontem a nossa nova colega - já a posso tratar assim, que ela tem um objectivo definido em mente e vai voltar amanhã - a certa altura perguntou que distância já tínhamos feito. Que achava que eram uns 2km e que estava contente porque pensava que ia cair para o lado ao fim de 500 metros. Já íamos com 3,5km. Ela acabou com 7kms feitos - sempre acompanhada e radiante com o que tinha conseguido alcançar - e alguns de nós fizemos uma volta maior para fazer 10km.

Com isto tudo fui para casa com um sentimento de dever cumprido e hoje acordei feliz também e a precisar de atirar cá para fora esta alegria. Eu sei que este texto é um auto-elogio, mas acima de tudo é sincero. No dia 23-05-2014 fiz 9km nestas condições. Deram-me a mão quando precisei. Acabei exausto e feliz - e já tinha feito 10kms antes algumas vezes. Quase 3 anos depois continuamos a fazer o mesmo por outra pessoa. 

Venha quem vier, ninguém nos retira a identidade. Nunca!

6 comentários:

  1. Se não estivessem tão longe, ia correr com vocês um dia destes :)

    Tenho o sonho de conseguir fazer isso um dia lá no meu subúrbio...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A nossa porta está sempre aberta. :)
      Para fazeres isso basta começarem duas pessoas.
      Força!

      Eliminar
  2. FANTÁSTICO!!!!!!!

    É este o verdadeiro espírito e se cativam futuros companheiros

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado. :)
      Não preciso de correr depressa, preciso de correr feliz.
      Um abraço!

      Eliminar
  3. Fizeram-me isso no Grande Prémio do Natal. Fui com o grupo do ginásio, e o meu treinador deve ter combinado com uma senhora que me acompanhou do início ao fim e sempre a dar-me dicas que ainda hoje uso. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembro-me de falares nisso! É tão bom. :)

      Eliminar