segunda-feira, 22 de abril de 2019

Antes só vinho que mal acompanhado

"Cesto!!!" - gritaram os 5 ou 6 miúdos que estavam a aplaudir junto ao caixote do lixo após o habitual abastecimento de vinho tinto durante a prova. Pois que este ano o copo até estava muito cheio e eu parei e bebi-o todo de penalty antes de o atirar com convicção lá para dentro sem ter noção que tinha público a observar-me. Arrependi-me logo a seguir porque até me custou a respirar quando voltei a correr. Não faz mal, ir à Scalabis e não beber vinho é como ir a Roma e não ver o Papa. Festejei com eles e com aquela família toda e segui viagem pelas ruas de Santarém, onde me sinto sempre muito bem a correr.

Dou um salto rápido até à meta: foi a minha pior Scalabis das quatro que já fiz.

(em actualização)


De mãos dadas rumo ao futuro

"Força Nuno! Actualiza o blog!"

Corria o quilómetro 16 quando sou interpelado por um atleta que me dirige estas palavras. Fiquei um bocado aparvalhado, não o reconheci imediatamente, mas ele fez questão de se apresentar logo de seguida. (Olá Edgar! Obrigado!)

Depois do sucesso que foi a nossa participação nesta prova no ano passado, regressámos em força com um total de 26 atletas em competição - eu e outro colega nos 20km em linha e os restantes em várias equipas da estafeta, naquilo que foi uma fantástica demonstração de espírito de equipa a todos os níveis. De referir que ainda me lembro de estar no serão de dia 30 de Dezembro a organizar as equipas e as inscrições para aproveitar o preço inicial. E estava cheio de medo de acontecer o que se passou em 2018 com várias lesões e impedimentos de última hora que obrigaram a fazermos algumas trocas de elementos. Se com 3 equipas já não era fácil coordenar eventuais trocas, imaginem com 6!
Felizmente poucos foram os colegas a precisar de serem substituídos e tudo se resolveu com relativa calma.

No dia da prova estava tudo pronto no ponto de encontro. Apenas um atleta não compareceu, mas avisou com antecedência, pediu para deixar o kit na pastelaria onde nos juntámos e ele haveria de lá passar antes de rumar ao Estoril para ser o primeiro da sua equipa da estafeta. De referir que quando eu parti para os 20km, ainda não o tínhamos encontrado por lá e um dos momentos mais felizes da minha prova foi quando vejo o terceiro elemento daquela equipa a passar por mim em alta velocidade rumo à passagem de testemunho dos 15km. Era sinal que ele tinha aparecido e que estava tudo ok!

A partida dos 20kms deu-se com algum atraso, quase dez minutos depois da hora, o que fez com que ao fim de poucos quilómetros já o primeiro classificado das estafetas tivesse passado por mim. Quem também passou por mim ainda antes dos 5km foi o nosso primeiro atleta da equipa mais rápida. As minhas contas diziam-me que eu chegaria à primeira passagem de testemunho antes disso acontecer, mas a diferença nas partidas foi apenas de 5 minutos em vez de 15 portanto fui rapidamente apanhado, que isto de correr a ritmo tranquilo a rondar os 5:30/km não se compara com as flechas da equipa que terminou a estafeta com um ritmo final de 3:55/km! Que brutalidade de flechas!

Sabia que a prova começava logo a subir - nos meus ouvidos ainda estavam as queixas de quem no ano passado fez o primeiro percurso - e que ao longo da Marginal iria encontrar algumas outras subidas difíceis. Na minha mente ia distraído pela calma que a paisagem do meu lado direito me transmitia e pelo imaginar do que estaria a ser a festa do pessoal nos pontos de passagem de testemunho. Ia embalado como fui na Meia Maratona de Cascais e tudo isso ajudava-me a esquecer que fazer aquele trajecto numa Maratona de Lisboa tem certamente outra dureza. O que é certo é que cheguei ao fim e não senti que as subidas fossem assim tão aterradoras. Difíceis sim, mas não temíveis. Até me deu a sensação que fiz grande parte da prova a descer.

Como era de esperar senti nas pernas o peso da falta de treinos decentes. Ali algures depois dos 10km notei que tive que abrandar um pouco o ritmo e fui-me juntando a outros atletas que senti que estavam sempre por ali por perto naquelas companhias de circunstância. Não tendo metido conversa com ninguém, era agradável ter pessoal por ali. Para além disso, de 5 em 5 quilómetros era uma festa porque ainda apanhava colegas da estafeta à espera de entrar em acção. E assim fui indo rumo a Belém.

O último trajecto foi um misto de emoções. Para além da aparição surpresa do Edgar que tinha feito o segundo percurso da estafeta e seguiu até à meta, tive algum pessoal que já tinha terminado a prova e vinha em sentido contrário a cumprimentar-me pelo nome. Alguém que eu conhecia ou era por causa do dorsal? Não sei, não reconheci ninguém, mas é sempre agradável. Para além disso uma das nossas atletas lesionadas fez questão de aparecer e estava por lá a tirar fotos. Foi aos 17,5km que senti necessidade de caminhar um pouco. Queria ter feito tudo sem parar, mas não deu. Paciência. O mesmo aconteceu um quilómetro mais tarde, mas logo a seguir retomei a corrida até ao final sendo que tive escolta de honra no último quilómetro porque em sentido contrário vinham uns quantos colegas de equipa (as flechas e não só...!) que me escoltaram até à curva final antes da meta. Muito obrigado pessoal, foi o boost que eu precisava para concluir a prova, num tempo muito semelhante ao que fiz nos 20km de Almeirim em 2018, naquele que foi na altura o último treino longo antes da Maratona do Porto. Nota: o meu melhor tempo numa meia maratona continua a ser melhor que o meu tempo em provas de 20km.

Depois de terminar veio o habitual cumprimento a vários amigos deste mundo com quem ali me cruzei. É sempre um prazer ver caras conhecidas e trocar dois dedos de conversa. Aquilo que acabei por não fazer foi voltar atrás para ir ter com a ET que iria fechar a nossa última equipa.  Eram mais uns quantos quilómetros neste treino longo. Quando consegui respirar um pouco estavam a chegar outros elementos da equipa, tanto os que estavam a fazer apenas a última parte da estafeta como outros que começaram há 15 ou 20 quilómetros atrás e seguiram até ao final. Foram todos fantásticos, sem dúvida! Até que chegou a nossa ET, muito bem acompanhada e quando passou por mim agarrou-me pela mão e só a largou metros antes da meta. Se há alguém que me tem dado uns calduços reais e virtuais na tentativa de me tirar das areias movediças onde tenho andado nestes últimos tempos é ela, daí que este gesto tenha sido bastante simbólico. Não podendo mudar o passado, há que ganhar foco para o futuro!

A ti, em especial, obrigado!

Para trás ficava o nevoeiro e a chuva com que fomos brindados no início da prova, para a frente ficaram os sorrisos, os Twix que estavam a ser dados na meta e uma série de contas para voltarmos novamente em 2020, desta vez para tentar ir a um pódio. Planos mais próximos incluem a ida à Scalabis (o relato sai ainda esta semana), a Maratona de Madrid (ai, cruzes credo...) e o cancelamento da ida ao Douro Vinhateiro (mais vale não ir do que ter 2016 all over again...).

Prova nº 107 - 20km da Marginal - 20km - 01:56:48


P.S: de regresso aos carros que ficaram em Algés foi altura de distribuir as t-shirts da prova e a oferta que fazia parte do kit. Enquanto a malta se despedia troquei de roupa e fui o último a despachar-me. Meti o saco que levava com as minhas coisas no tejadilho do carro e tal. Lá de dentro diz-me o gajo da ET: "Não te esqueças disso aí, ok?" "Ok, claro!" Entro no carro devidamente pronto e saímos do estacionamento rumo à rotunda da entrada do IC17. Ele fez uma manobra qualquer estranha, que eu nem percebi o que foi e um outro carro a entrar na rotunda desata a apitar intensamente, instantes após ouvirmos um "catrapum!" 

"Está qualquer coisa no chão!" Pois claro que está! Era o meu saco amarelo que tinha dado um tralho desde o tejadilho do carro onde eu obviamente não o ia deixar e estava a rebolar mais que o Neymar depois de uma entrada a pés juntos do Pepe... Meia volta à rotunda e o condutor do tal carro - estrangeiro, por sinal - já tinha parado para nos entregar o saco. Só lá tinha as chaves de casa, as chaves do carro, a carteira... 😧 

sexta-feira, 19 de abril de 2019

Uma mão cheia de Sinos

No último fim de semana de Março deu-se a habitual romaria a Mafra para a Corrida dos Sinos. Não é segredo para ninguém que gosto desta prova, do ambiente, do final no estádio e do convívio com a malta da equipa no final. Tudo isso esteve lá, excepto o picnic. Éramos muitos como sempre, mas este ano regressámos ao conforto dos respectivos lares depois de todos termos cruzado a meta. 

Foto: Running and Medals (https://www.runningandmedals.com/sinos)

Eu já falei aqui em provas nas quais conheço cada pedacinho de alcatrão, já falei aqui em fechar ciclos. Ao fim de cinco anos consecutivos a participar, não sei se esta é daquelas nas quais devo ponderar uma pausa sabática. Veremos.
O que é certo é que sem o treino devido não há resultados. No meu caso tratou-se de um retrocesso de três anos, tendo em conta que fiz um tempo pior do que em 2016. Ahhhh, e as memórias que esse ano me deixou no geral são assim catitas, são.


A pedido de várias famílias - vá, de uma pessoa muito especial para mim - o texto sobre a próxima prova, a Estafeta Cascais-Oeiras-Lisboa, já será um pouco mais detalhado e mais à imagem dos textos a que vos habituei. Assim tenha eu inspiração para isso.


Prova nº 106 - Corrida dos Sinos - 15km - 01:23:14

Corta Mato de Vale Figueira

Foi a 17 de Março, um mês após o anterior, que regressei a esta coisa engraçada do corta-mato. Como se previa foi mais exigente que os anteriores. Quase que ficava no top-10 do escalão, mas na verdade também só estavam presentes 12 atletas. Talvez consiga numa das próximas provas, se não comparecerem todos. Sem stress, havia garrafa de vinho para todos e isso é que é importante!

Próxima prova em que estarei presente é a "Rota do Queijo" em Lousa. Diz que é durinha como o raio, mas há queijo no fim. Alinho nisso!

Prova nº 105 - Troféu Corrida das Colectividades do Concelho de Loures - Corta-Mato de Vale Figueira - 5,5km - 00:28:09

sábado, 9 de março de 2019

Meia Maratona de Cascais 2019

Há imagens que valem por mil palavras, daí que o rescaldo desta prova se traduza nas fotografias que foram tiradas pelos inúmeros fotógrafos que nos continuam a brindar com o seu trabalho durante as corridas. Mas não são aquelas fotos que aparecem em destaque nas redes sociais, são as outras... aquelas que uma pessoa acaba por não partilhar porque não são assim tão apelativas para o público em geral e já se sabe que não vão render assim tantos "likes".


Prova nº 104 - Meia Maratona de Cascais 2019 - 21km - 01:59:12

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Maratona de Madrid - the story so far...

Tinha aqui um longo resumo do que aconteceu desde dia 4 de Agosto. O dia em que - meio a sério, meio a brincar - a ideia surgi. Um mês e meio depois, a 22 de Setembro, a coisa ficava oficial.

Apaguei o resto do texto. Deixo apenas a conclusão:

A dois meses (menos um dia) da prova, estou arrependido de me ter inscrito.
Aconteça o que acontecer daqui para a frente até - espero eu - cruzar a meta, estou arrependido.

Até breve. Bons treinos e boas provas!

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Corta-Mato de Santo António dos Cavaleiros

Falhei a presença no Corta-Mato do Catujal por motivos de doença, mas regressei às provas do troféu em Santo António dos Cavaleiros. A malta está mesmo a aderir em massa a estas provas e isso acaba por dar os seus frutos ao termos saído de lá com um 3º lugar individual e uma taça pela classificação por equipas. Não é esse o objectivo, só nos queremos divertir, mas se der para conciliar com uns resultados destes a brincadeira fica mais engraçada.

Ao contrário de Santa Iria, não chovia. Apesar disso a manhã tinha acordado muito tristonha, mas a prova final masculina já terminou debaixo de um sol radiante. Desta vez eram quatro voltas ao circuito que me pareceu menos exigente que aquele que eu tinha como base de comparação. Ou por isso, ou pelo facto de ter apanhado tempo seco fiz um tempo melhor que anteriormente. E pude ir perfeitamente com ténis de estrada. Uns ténis que, diga-se, apenas tinham 2 quilómetros feito em corrida, num treino realizado nessa semana e que culminou de forma precoce quando eu estava a fazer séries numa zona residencial numa estrada sem saída para a qual só vão os moradores e uma pessoa resolveu abrir a porta do carro à minha passagem, cravando-a de forma assertiva no meu joelho e no meu ombro. Foi bonito.

Continuando... 

A ansiedade é sempre grande com as provas dos mais pequenos, mas eles cumpriram o percurso na perfeição e com uma enorme vontade. Nestas idades o que importa é estar a plantar a semente para que esta paixão pela corrida possa crescer com eles e os resultados são mesmo o que menos interessa, mas no geral até foram agradáveis. Depois de correrem passaram o tempo todo a jogar à bola e se fosse preciso ainda tinham feito uma perninha nas nossas provas. Energia não lhes falta! 

Os graúdos iam vendo o percurso e eu e um colega aproveitámos a primeira volta da prova feminina para irmos atrás do grupo para fazermos também o reconhecimento e ver afinal que dificuldades é que teríamos pela frente. Foi porreiro e ajudou muito. Também foi fixe termos sido fortemente aplaudidos em ar de brincadeira por alguns amigos que estavam de fora e que nos desejaram boa sorte para ombrear com as atletas femininas. Até fomos apanhados pelos fotógrafos a fazer uma guarda de honra à menos rápida das nossas colegas de equipa. Terminámos a primeira volta junto dela e saímos do percurso. Fomos devagar, mas íamos ambos com a sweatshirt da equipa vestida e já estávamos ambos a ferver por dentro. Enquanto elas completavam as suas voltas, nós íamos fazendo fotografias e dando apoio do lado de fora. 

Quando chegou a nossa vez já sabíamos que haveria um pódio na equipa, cuja cerimónia decorreu durante a nossa prova, e ainda ficámos às portas de mais dois pódios. Curiosamente, não achei o percurso tão difícil como tinha achado naquela volta de reconhecimento. Prova disso foi ter terminado com um ritmo próximo dos 5:00m/km sem nunca ter sentido que ia a puxar muito. Andei quase sempre par a par com outro atleta de outro escalão que só me fugiu na última volta, mas também foi aí que consegui ultrapassar alguns outros que seguiam mesmo à minha frente e que terão quebrado. Acabei feliz da vida, como se quer em qualquer prova, tenha ela 4 ou 42 quilómetros.

O próximo corta-mato do troféu tem 5,5kms e dependendo do percurso poderá ser mais puxado que estes dois. Em princípio estarei presente na ressaca de um treino longo no dia anterior. Tenho que ver o que o plano me permite fazer, já que não me posso esquecer - como se os recentes eventos me permitissem fazer isso - que tenho a Maratona de Madrid para fazer daqui a dois meses.



Prova nº 103 - Troféu Corrida das Colectividades do Concelho de Loures - Corta-Mato de Santo António dos Cavaleiros - 4km - 00:20:10